Pesquisadores demonstram que a proteína p38 MAPK pode ser utilizada como alvo terapêutico contra o Mal de Alzheimer.

Um estudo publicado na revista Alzheimer’s research & therapy mostrou que a desativação seletiva da proteína p38 MAPK reduz os níveis de fosforilação observados na proteína tau, uma das principais características encontradas no cérebro de pacientes com o Mal de Alzheimer.

A equipe que relaizou os estudo é liderada pelo Dr. Kiran Bashar do departamento de Genética Molecular e Microbiologia da Universidade do Novo México nos Estados Unidos. Eles testaram um pequeno fármaco denominado MW181 em cérebros de camundongos usados como modelos do Mal de Alzheimer. A droga conseguiu abolir completamente a inflamação causada pela proteína p38 MAPK no cérebro do animal, que apresentaram também uma melhora  no desempenho em testes de memória.

A próxima etapa é conduzir testes de biodisponibilidade do fármaco testado, e proceder com estudos clínicos que possam comprovar a eficácia desta terapia em humanos.

O estudo completo pode ser lido em inglês gratuitamente no site da revista. English version.

Posted by: Dr. Adriano Barbosa-Silva, Bioinformatics Research Associate at the Luxembourg Centre for Systems Biomedicine, University of Luxembourg. Editor-in-chief of NDD News.

Referência

Maphis, N., Jiang, S., Xu, G., Kokiko-Cochran, O. N., Roy, S. M., Van Eldik, L. J., … Bhaskar, K. (2016). Selective suppression of the α isoform of p38 MAPK rescues late-stage tau pathology. Alzheimer’s Research & Therapy, 8, 54. http://doi.org/10.1186/s13195-016-0221-y

Advertisements